2007-07-02

Percurso II

MURO
Porto 2007

Av. da Boavista
28 de junho

Interessa-nos, com este projecto, olhar o espaço público e intervir em locais que contenham em si algo potencialmente performativo, na esperança de ir percebendo o que isto significa. Qual a qualidade de uma acção para que seja considerada performativa? Como encontrar essa qualidade nos diversos contextos de criação e recepção? A rua torna-se o local previligiado de encontro entre estes dois momentos, não havendo distinção temporal entre os mesmos. O tempo de criação é o tempo de recepção.

Este muro é (felizmente!) um local temporário, funcional, que se monta e desmonta de acordo com lógicas de programação da cidade. No entanto, enquanto existe, altera a nossa percepção do espaço, da rua, da cidade, do outro e passa a existir, também, como força simbólica, quer do modo como actualmente se vive na cidade do Porto, quer de outros muros e corredores que já existiram na nossa história colectiva.

A proposta foi colocar-me lá. Experimentar a sensação de estar entre muros, entre paredes, de não chegar ao outro lado, de sentir as limitações e, ao mesmo tempo, a infinitude do espaço circunscrito a um corredor através de acções simples: estar, andar, correr, saltar, trepar, suspender, cair, encostar, deitar, sentar.

A velocidade de passar do instante de observar o espaço para o de fazer uma determinada acção tem sido um trabalho desenvolvido com o Paulo Pimenta, cuja composição torna cada uma destas imagens um elemento de uma espécie de curta metragem ou narrativa maior.




















Fotografias de Paulo Pimenta




2 comentários:

Rogério Nuno Costa disse...

muito estimulantes as imagens, estas e as anteriores.

cada vez mais ansioso pelos desenvolvimentos do projecto!

beijinhos,
roger

cr disse...

sim. a partir de agosto quero ver onde me leva. "a oportunidade do espectador" é o próximo contexto a definir desenvolvimentos. beijinhos para ti, cr